Doação de cestas básicas do Grupo 10000 RPM – Solidariedade

Foto: Isabela Vaz

No último sábado, dia 10 de abril, a Associação Pestalozzi de Osasco recebeu 100 cestas básicas que foram doadas pelo Grupo 10000 RPM – Solidariedade.

O grupo, formado por amigos motociclistas que residem na região de Alphaville, se mobilizou e conseguiu arrecadar 1.250 cestas básicas, com o objetivo de minimizar o problema da fome pela qual passam milhões de pessoas no nosso país.

As 100 cestas básicas recebidas pela Pestalozzi de Osasco irão beneficiar famílias de pessoas com deficiência intelectual atendidas pela instituição e que, em função da pandemia, perderam emprego e renda e passam por algum tipo de privação alimentar.

As doações do Grupo Solidariedade beneficiaram não somente os atendidos pela Pestalozzi de Osasco, como, também, organizações como o Rainha da Paz, em Santana de Parnaíba, comunidades da cidade da Aparecida do Norte, Itanhaém, e outras comunidades próximas a Alphaville. O transporte para viabilizar a entrega das cestas em diversas localidades foi gentilmente doado pela transportadora Bras Press.

Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD

Foto: FENAPESTALOZZI

No dia 10 de março, funcionários da área de gestão, coordenação técnica e comunicação da Associação Pestalozzi de Osasco participaram do curso de capacitação sobre a Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD. O curso foi promovido pela Federação Nacional das Associações Pestalozzi – FENAPESTALOZZI e foi realizado de forma remota, através da plataforma Zoom.

Ministrado pelo Dr. Carlos Magno, especialista em Direito do Trabalho, com atuação preponderante no ensino superior e em instituições do terceiro setor, e pela Dra. Kellen Emídio, mestre em Direito, com atuação em Gestão de Riscos Compliance e LGPD, o curso abordou como as organizações do terceiro setor devem proteger seus dados nos meios digitais e quais são os direitos fundamentais dispostos na nova lei.

Realocação profissional de pessoas com deficiência, em meio à pandemia

Foto: Divulgação

Neste ano de 2020, fomos surpreendidos com a pandemia do COVID-19 e, em função das medidas de isolamento social que foram adotadas e da consequente crise econômica que atingiu várias empresas, muitas pessoas perderam os seus empregos. Segundo dados do IBGE a taxa de desocupação no país atingiu 14,3% na quarta semana de agosto, um aumento de 1,1 ponto percentual comparado com a semana anterior (13,2%), alcançando, assim, o maior patamar da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Covid-19, iniciada no mês de maio.

Diante desse cenário, muitas pessoas com deficiência intelectual que tinham conseguido conquistar sua colocação no mercado de trabalho foram demitidas e passaram a fazer parte do contingente de pessoas desempregadas no Brasil.

Todavia, ao longo de todo o período da pandemia, a Associação Pestalozzi de Osasco continuou com seu trabalho de inclusão social e profissional de pessoas com deficiência intelectual, com vistas a garantir o seu direito ao trabalho e à renda.

E assim, graças à uma parceria entre a Associação Pestalozzi de Osasco e o Portal do Trabalhador, da Secretaria de Emprego, Trabalho e Renda, os irmãos Jonatas (27 anos) e Helen (25 anos), ambos com deficiência intelectual, conseguiram a sua realocação profissional em meio à pandemia.

No último mês de julho, Jonatas foi contratado para trabalhar em uma rede de supermercados como empacotador e, em outubro, Helen foi contratada para trabalhar em uma grande rede de hambúrgueres, como ajudante de cozinha.

Jonatas e Helen, assim como outros jovens com deficiência intelectual atendidos pela Associação Pestalozzi de Osasco, participaram do Programa de Aprendizagem da instituição. Jonatas estava incluído no mercado de trabalho desde 2010, e recente havia perdido o emprego. Helen, por sua vez, concluiu o curso de aprendizagem em 2019 e estava em busca de uma nova oportunidade de emprego.

Desejamos sucesso nesta nova jornada profissional para Jonatas e Hellen!

03 de dezembro – Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

Foto: Leandro França

O dia internacional da pessoa com deficiência, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU/1992), é comemorado no dia 03 de dezembro. A comemoração dessa data tem o objetivo de levar as pessoas à uma maior compreensão e conscientização sobre assuntos referentes à deficiência. Além disso, com a data, a ONU pretende melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência e divulgar os benefícios da sua inclusão nos aspectos da vida política, social, econômica e cultural.

Aprovada no Brasil em 2009, a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (ONU/2007) estabelece que “pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdades de condições com as demais pessoas”.

De acordo com a ONU, aproximadamente 10% da população mundial possui algum tipo de deficiência. Nesse sentido, para uma efetiva inclusão das pessoas com deficiência é necessário que a sociedade elimine todo tipo de barreira e garanta a acessibilidade em todas as suas dimensões, para que as pessoas possam utilizar, com segurança e autonomia, os espaços, os equipamentos, as edificações, os mobiliários, os meios de transporte, os sistemas de informação, as tecnologias, os meios de informação, os serviços, etc.

Aniversário de 94 anos do Movimento Pestalozziano

Foto: Jangada Filmes

No dia 26 de outubro o Movimento Pestalozziano no Brasil completa 94 anos. Essa data é muito importante para as Associações Pestalozzi pois, são, 94 anos atendendo pessoas com deficiência em todos os 4 cantos do Brasil.

O Movimento Pestalozziano no Brasil teve início no ano de 1926, na cidade de Porto Alegre/RS, com a criação do Instituto Pestalozzi de Canoas, hoje Associação Pestalozzi de Canoas. Em 1929, a convite do Governo do Estado de Minas Gerais, a educadora russa Helena Antipoff chegou ao Brasil trazendo o legado de informações e aprendizado obtidos com Johann Heinrich Pestalozzi, enfatizando o trabalho na reabilitação e na formação de pessoas para o atendimento especializado à pessoa com deficiência. Alguns anos depois foram implantadas as Associações Pestalozzi em Minas Gerais, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O Movimento Pestalozziano tem a inabalável convicção de que a pessoa com deficiência se desenvolve de dentro para fora e não na direção oposta como propõe a educação convencional.

As Associações Pestalozzi, as Federações Estaduais e todo o Movimento Pestalozziano se fundam nas premissas do amor e esperança, as quais sustentam o esforço individual e coletivo pela educação, reabilitação e inclusão social das pessoas com deficiência. O movimento ganhou força e hoje faz parte da vida de diversos brasileiros.

Atualmente, a Federação Nacional das Associações Pestalozzi – FENAPESTALOZZI possui uma rede formada com 232 Associações Pestalozzi, sendo 10 Federações Estaduais e 5 entidades análogas. No Estado de São Paulo são 4 Associações Pestalozzi, que estão sediadas nas cidades de Osasco, Sumaré, Hortolândia e Campinas.

Aniversário do Movimento Nacional de Autodefensores – MONPAD

Foto: Jangada Filmes

No dia 23 de outubro de 2020 o MONPAD, Movimento Nacional de Autodefensores, completa 4 anos. O MONPAD foi idealizado pela Federação das Associações Pestalozzi do Rio de Janeiro que, motivada, principalmente, pela incorporação da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência à legislação brasileira criou, em 2009, o Movimento Estadual de Autodefensores. Naquele mesmo ano, a entidade realizou a primeira edição do Fórum Estadual de Autodefensores e, posteriormente, em 23 de outubro de 2016, a Federação Nacional das Pestalozzi, durante a realização do XIV Congresso Nacional das Associações Pestalozzi, na cidade de Aracruz/ES, implantou o Movimento Nacional de Autodefensores Pestalozziano e realizou o I Fórum Nacional de Autodefensores do Movimento Pestalozziano. O Movimento é composto por pessoas com deficiência, que são atendidas na Rede Pestalozziana em todo Brasil.

Dentre as atribuições do MONPAD estão à defesa dos direitos das pessoas com deficiência, a busca por equidade no acesso ao mercado de trabalho, e a luta para que a legislação que assegura o direito à acessibilidade em espaços culturais, de lazer, turismo, transporte, entre outros, seja cumprida.

A Associação Pestalozzi de Osasco a partir do seu Fórum dos Usuários, espaço constituído com a finalidade de fomentar, incentivar e qualificar a participação dos usuários, constituiu, também, em abril de 2018, o seu Grupo de Autodefensores. Atualmente, o grupo é constituído por 11 membros, que, semanalmente, se reúnem para discutir sobre os direitos das pessoas com deficiência no município de Osasco.

Bloco de Carnaval de Rua

Foto: Olhar de Vanessa Fotografia

No último dia 20 de fevereiro, ao som das marchinhas de carnaval, os adolescentes e jovens atendidos, seus familiares, funcionários e voluntários da Pestalozzi de Osasco, além de pessoas da comunidade local, brincaram o carnaval, ao mesmo tempo que vivenciaram uma experiência de inclusão.

Desde o ano de 2016, o Bloco de Carnaval de Rua da Pestalozzi de Osasco sai às ruas do Jardim Ester erguendo, com orgulho, seu estandarte estampado com a rosa vermelha, símbolo do Movimento Pestalozziano no Brasil.

Pelo quinto ano consecutivo, o Bloco de Carnaval de Rua da Pestalozzi de Osasco contou com o apoio da Prefeitura do Município de Osasco que, por meio da Secretaria de Cultura e da Secretaria de Governo, disponibilizaram Trio Elétrico, equipe de limpeza e o suporte do DEMUTRAN para garantir a alegria e a segurança dos carnavalescos.

Para a Pestalozzi, a oportunidade dos jovens comemorarem o carnaval, em espaço público, organizando-se como Bloco de Rua, é uma valiosa oportunidade de incrementar o seu acesso à cultura, bem como, da instituição promover, de forma lúdica e divertida, o convívio da comunidade do Jardim Ester com a diversidade.

A Pestalozzi de Osasco tem por princípio a crença no potencial da pessoa com deficiência intelectual e todo o trabalho desenvolvido pela instituição está fundamentado na garantia dos direitos à convivência social, ao trabalho, à cultura e ao lazer.

Projeto É Pra Lá Que Eu Vou

Foto: Leandro França

A Associação Pestalozzi de Osasco, em parceria com o Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA Osasco, iniciou a execução do Projeto “É pra lá que eu vou”. O projeto, aprovado no edital de chamamento público 001/2017, recebeu o apoio da empresa Belgo Bekaert em 2019 e, com recursos aportados no Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente – FUMCAD Osasco, deverá promover a reflexão do lazer como um direito social e proporcionar o acesso a atividades de lazer para 90 pessoas, com deficiência intelectual e/ou com dificuldade de aprendizagem, ao longo do ano de 2020.

O lazer enquanto direito social é assegurado pelo Artigo 6º da Constituição Federal de 1988, sendo uma atividade necessária, tanto para pessoas sem deficiência, como para pessoas com deficiência. Na Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, Lei 13.146/2015, em vigor desde janeiro de 2016, está previsto no Artigo 42 o direito da pessoa com deficiência à cultura, ao esporte, ao turismo e ao lazer, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas. A Lei reforça, ainda, a obrigatoriedade da oferta de recursos de acessibilidade nos espaços públicos e privados.

O estigma histórico de incapacidade da pessoa com deficiência intelectual, atrelado à questão econômica e social de suas famílias, bem como, a dificuldade de acesso aos espaços sociais e recursos da comunidade, são fatores que dificultam sua participação social e o exercício de sua cidadania. Frente a essa realidade, a proposta de oferta de atividades de lazer para pessoas com deficiência intelectual vem de encontro com um posicionamento da entidade que prioriza a potencialidade da pessoa com deficiência intelectual e valoriza sua capacidade de fazer escolhas e a reconhece como sujeito de direitos.

A construção do entendimento do lazer como direito e instrumento de inclusão social, confere sentido ao processo de ampliação do conhecimento da pessoa com deficiência intelectual e de suas vivências na sociedade, alterando o seu cotidiano e o de sua família, interferindo no exercício da sua cidadania. Esse entendimento possibilita também que ocorram transformações na sociedade, pois, à medida que nos relacionamos com pessoas diferentes e/ou com deficiência, podemos repensar nossos preconceitos.

É nesse contexto que se insere a proposta de oferecer à pessoa com deficiência intelectual, e em situação de vulnerabilidade social, atividades de lazer em grupo, baseadas em seus interesses, contribuindo para sua participação social e o exercício de seus direitos.

Para mais informações:

11 3682 2158
coordenacao@pestalozziosasco.org.br

Pestalozzi de Osasco participa do 1º Mutirão de Empregos para Pessoas com Deficiência

Foto: Alan Santos

A Secretaria de Emprego, Trabalho e Renda de Osasco realizou, no dia 4 de dezembro de 2019, o 1º Mutirão de Empregos para Pessoas com Deficiência e Reabilitados do INSS.
Técnicos da Pestalozzi de Osasco participaram do evento no Centro de Formação dos Professores de Osasco – CEFO, acompanhando alguns dos jovens atendidos pela Pestalozzi, que estão em busca de oportunidades para ingressar no mercado de trabalho.

A iniciativa da Secretaria é muito importante tanto para empresas de Osasco e região que precisam atender a Lei de Cotas (Lei 8.213/91) e, muitas vezes, enfrentam dificuldades para encontrar profissionais com deficiência, quanto para pessoas com deficiência como o Felipe que, no dia do Mutirão, participou de dois processos seletivos e foi aprovado para trabalhar na empresa Burger King.

Para empresas que precisam, ou simplesmente desejam, contratar pessoas com deficiência intelectual como o Felipe, a Pestalozzi de Osasco disponibiliza diversos serviços. Entre eles, vale destacar a análise de postos de trabalho, a seleção de candidatos de acordo com o perfil da pessoa com deficiência e a vaga, cursos de aprendizagem profissional e os apoios necessários para o ingresso do aprendiz com deficiência intelectual na empresa, sensibilização de colaboradores para a convivência na diversidade e o serviço de emprego apoiado, metodologia essencial para auxiliar a pessoa com deficiência, não apenas encontrar um emprego, como também, se manter nele.

Pestalozzi de Osasco realiza o XI Seminário Inclusão em Debate

Foto: Alan Santos

No último dia 19 de novembro, a Associação Pestalozzi de Osasco, em parceria com o SENAC – Osasco, a Secretaria de Emprego, Trabalho e Renda e a Câmara Paulista para Inclusão da Pessoa com Deficiência, realizou o Seminário Inclusão em Debate, para discutir, nessa décima primeira edição do evento, a aprendizagem profissional e a inclusão profissional de pessoas com deficiência intelectual.

O XI Seminário Inclusão em Debate contou, também, com o apoio de interpretes de libras da Secretaria de Assistência Social e do Espaço da Cidadania e com o apoio da TV Osasco e do Jornal A Rua. Alguns atendidos pela Pestalozzi de Osasco participaram ativamente dos trabalhos e atuaram impecavelmente tanto na recepção do público e das perguntas que foram dirigidas aos palestrantes, quanto na apresentação do Seminário, como foi o caso do Vitor Expedito que desempenhou, junto com Fernando Coutinho, diretor de eventos da Pestalozzi, a função de mestre de cerimônia.

O evento contemplou palestras de especialistas na área de inclusão, além de depoimentos de empresas que contratam aprendizes com deficiência intelectual e depoimentos de pessoas com deficiência intelectual que estão no mercado de trabalho. Entre os especialistas, o Seminário contou com a participação de Luciane Midori Kadomoto Bezerra (psicóloga e docente do SENAC Osasco), Thâmara Alencar (analista de diversidade e inclusão na SODEXO), Dr. José Carlos do Carmo (auditor fiscal do trabalho e coordenador do Projeto de Inclusão da Pessoa com Deficiência da Superintendência Regional do Trabalho em São Paulo – Ministério da Economia), Keila Paloschi (gerente de intermediação de mão de obra da Secretaria de Emprego, Trabalho e Renda de Osasco) e Márcia Oliva Soléra (gestora executiva da Associação Pestalozzi de Osasco). O ponto alto das palestras foi a apresentação da gerente de Recursos Humanos do Grupo Generalle, Cláudia Maria Orosco e o depoimento de Jonathas da Silva Sarmento e Felipe Vinícius Ribeiro de Andrade, ambos colaboradores da empresa que após terem concluído a aprendizagem foram contratados e atendem a Lei de Cotas.

Profissionais de recursos humanos de empresas de Osasco e região, pais e familiares de pessoas com deficiência intelectual em idade economicamente ativa, profissionais de entidades e de órgãos que trabalham com a inclusão de pessoas com deficiência intelectual foram o público alvo do Seminário. 105 pessoas estiveram presentes no evento, sendo 37% constituído por representantes de entidades, ou órgãos públicos, 28% por familiares e pessoas com deficiência, 13% por representantes de empresas, 14% por funcionários da Pestalozzi e 8% por palestrantes.

Os resultados da avaliação realizada ao final do evento indicaram que 87% dos participantes consideraram o evento como excelente ou ótimo. As instalações do SENAC Osasco foi outro aspecto avaliado como excelente ou ótimo por 91% dos participantes, assim como a relevância do tema (93%) e sua aplicabilidade no trabalho (89%). De modo geral, o Seminário atendeu ou superou as expectativas de 95% do público presente.
O Seminário é um evento organizado anualmente pela Pestalozzi de Osasco para marcar, no município, o Dia do Movimento Pestalozziano no Brasil, dia 26 de outubro.

Abrir Whats